sábado, 21 de março de 2009

Outono me dá sono

Começou o outono e o tempo já tá meio fechado por aqui, garoinha fraca e uma preguiça do caramba de fazer qualquer coisa.
_
Não aconteceu muita coisa lá na Flex: não mudamos de líder, nem teve facão, mas tive que trabalhar ao lado de uma menina que aprendi a odiar: tudo nela agora me parece falso, encenado... sorte não ter dado nada certo, ela não merece nem mesmo um verso!!!
_
Estréias (de meu interesse) da semana: Spirit, Gran Torino e Zack and Miri Make a Porno. Sabe da melhor: nenhum maldito Multiplex sorocabano estreiou algum desses filmes... Ah, e melhor ainda: devido a um mal planejamento financeiro, nada de cinema nesse sabadão.Mas tudo bem, penso em fazer uma maratona Indiana Jones nessa tarde, regado a Coca e muita pipoca, acho que deve dar pro gasto.
_
Já viram o trailer agressive de Crank 2 ? Chev Chelios (Statham) agora em busca do seu coração (literalmente falando). Assisti o primeiro há algum tempo atrás e achei espetacular (a dublagem brasileira desse filme é fodástica). Crank 2 está previsto pra 17 de abril, e eu estou ansioso pra ver!

video

Ainda falando de cinema, deem só uma olhada nesse novo teaser-poster do Terminator:

F-O-D-A
_
Saiu no site da FNAC um action figure perfeito do Coringa na já clássica cena do assalto ao banco do The Dark Knight, 30 cm, 33 pontos articulaveis e zilhoes de acessórios. Sabe por quanto? 800 pilas!!! Adorei o boneco, mas não sou tão louco (ou rico) pra pagar quase um mês de salario nesse artefato... mas quem sabe R$500?



Pra fechar, depois de WATCHMEN procurei mais de Alan Moore por aí e encontrei o excelente A Saga do Monstro do Pantano, um encadernado caprichado da Pixel contendo o arco de histórias escritas pelo CARA . O personagem não é original dele, o que Moore fez foi amadurecer a história, tanto em termos narrativos quanto gráficos, recriando um simples quadrinho de super-heróis numa aula sobre a odsseia de um monstro em busca de sua humanidade perdida, num mundo cada vez mais inumano.

Bom, por enquanto é isso... bom Outono pra todos!!!

quinta-feira, 19 de março de 2009

O Menino do Pijama Listrado

Faz um tempinho que tinha comprado esse livro, mas só fui acabar de lê-lo ontem. Não que seja grosso, é bem curto na verdade, é que eu estava revezando a leitura com outros dois.
O que me fez comprar esse livro foi aquele texto de orelha que geralmente nos dá um geral da trama, e que nesse caso só me dizia algo como: " é melhor que você leia sem saber de nada" . Desse modo, vou tentar não revelar muito da história aqui, só digo que O Menino do Pijama Listrado é com certeza pertubador, embora no começo o livro te engane um pouco, não demora muito pra você descobrir o que está acontecendo ali e torcer para que tudo acabe bem, e acredite em mim: não acaba nada bem. A sensação final ao terminar O menino é parecida com levar uma bicuda na boca do estômago. Só lendo pra saber do que eu tô falando.
_
Escrito pelo premiado John Boyne e já adaptado pro cinema (ainda não vi), O Menino do Pijama Listrado merece algumas horas da sua vida.

quarta-feira, 18 de março de 2009

Believe


domingo, 15 de março de 2009

Slumdog Millionare

Vi e adorei. Realmente "Quem quer ser um milionário", merece todos os Oscars e palmas do mundo. Lendo um pouco a respeito do filme, quase que posto uma patcha canelada: pensei que o filme era indiano, mas descobri aqui que é uma produção britânica com elenco indiano (mas me corrijam se escrevi besteira). Enfim, é uma outra experiência você não conhecer os atores na tela, passa uma sensação, sei lá, de mais realismo talvez, de maior imersão, eu acho... Ainda mais no caso de Slumdog, que acontece num país estranho ao que estamos habituados a ver nossos filmes, embora muito da pobreza e da sujeira das favelas indianas nos seja infelizmente familiar. Não é um filme triste, é uma linda história de amor, é alegre, colorido, pulsante, uma festa... Essa é a palavra: festa, espetáculo, show. Mesmo sabendo mais ou menos como ia acabar, fui compelido a torcer por Jamal, Salim e Latika. É lindo, lindo, lindo!!!

sábado, 14 de março de 2009

CTI, HQs e RPG

Semaninha agitada essa última... bom, fiquei sabendo ontem que meu contrato na Flex mudou de CTD para CTI o que não significa muita coisa, mas dá alguma segurança a mais na hora do próximo facão (previsto pra dia 19 agora). Parece que meu líder lá vai mudar tambem... um tal de Paulo, e se sua fama proceder, estamos ferrrados!

Sobre meu dilema, obviamente deu merda, não tinha mesmo como dar certo... fiz a escolha errada: caí no joguinho dela, depois perdi a graça. Maldita, síbila... me apaixono muito facil e sempre muito profundamente, ainda sou muito ingênuo e ela sacou isso. Que ódio, que ódio, que ódio!!!


(respira)

Poisé... finalmente chegou meu WATCHMEN Ed. Definitiva!!!
Não é bem uma réplica do Absolute WATCHMEN, encadernado americano da maior graphic novel da história terrestre: a versão gringa vem num box de madeira muito style, um marcador de páginas vermelhinho e com muito mais páginas de extras. A versão brasileira pode não ser tão motherfucka, mas as páginas são de alta qualidade, livrão grande, pesado e com uma arte de capa mais bonita do que a versão estadounidense.
É impressionante ressaltar o respeito que Zack Snyder teve ao transcrever a obra-prima dos quadrinhos: ele quase não tocou nas cenas e nos dialogos da HQ, quase que é um storyboard do filme. Adaptação mesmo é a abertura (que é inesquecível) e o final (que eu acho melhor encaixada do que a original), o resto são quadros vivos dos 12 volumes que compoem a grande obra de Moore e Gibbons. Impressionante!!!

Voltei a jogar RPG, agora na posição de Mestre. A aventura é Keep in the Shadowfell, o primeiro livro da campanha proposta para 4.0, com mapas estilosos e tudo o mais. Meu trampo é desenvolver os NPCs do Abrigo do Inverno (cidade em que passa parte da aventura) e caprichar nas descrições das batalhas e cenários, alem de ter que improvisar pra cada maluquice que os jogadores inventarem e não deixar que sodomizem meu mundo. Estou usando a trilha sonora do excelente Brave Heart, composta por James Horner junto com a Orquestra Sinfônica de Londres, cheio de gaitas de foles, marchas de guerra e doces baladinhas... altamente recomendavel para mergulhar no medieval fantástico de Dungeons and Dragons. Até agora está decente, tomare que dure até o fim...


Hoje (ou amanhã) vou ver se assisto o premiadíssimo Quem Quer ser um Milonário? e se vale mesmo todos aqueles Oscars...

domingo, 8 de março de 2009

Jovem Ainda: Ronaldo

Embora torça para o Corinthians, não sou muito chegado em futebol. Geralmente me empolgo mais na época de Copa do Mundo e em finais de grandes campeonatos, mas não chego ao ponto de acompanhar rodada a rodada o desenrolar do esquema, comprar o Lance e assistir o Milton Neves. Aconteceu que hoje tava assistindo o 2° tempo de um grande clássico nacional, e meu time estava perdendo... até que um cara foi chamado e ele fez toda a diferença. Eu não sou especialista no assunto nem nada, mas esse cara joga muuuuito e se o meu time empatou hoje, no ultimo minuto dos acréssimos do segundo tempo, foi por culpa desse cara. Faz tempo que eu não vibrava com um gol, que eu não gritava tanto em um jogo, hoje eu gritei, eu vibrei e eu torci pra que aquele cara fizesse o que fez. Preciso falar o nome dele?

video

Watchmen é Ótimen!!!

Lembro como se fosse ontem todo o extase que senti ao ver pela primeira vez The Dark Knight: tudo era perfeito, intenso e realista, sem duvida uma experiência inesquecivel oferecida por Nolan, Bale, Ledger e cia. Na época (releia aqui), achei TDK insuperavel como melhor EVER filme de supers do mundo, hoje ele é o segundo melhor, o segundo depois da primorosa, genial e épica adaptação da OBRA MAXIMA DA HISTÓRIA DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: WATCHMEN!!!!!!!!!!

Faltam palavras e sobram palavrões para descrever tudo que as quase três horas de puro delirio nerd me proporcionaram: tudo funciona naquela porra! As lutas são ultra-violentas, com direito a mutilação e tudo, a sonoplastia é assustadora,a trilha fantástica, figurino impecavel, mas putaquepariu, as interpretações são mágicas: destaques para Jeffrey Dean Morgan como o filhadeumabitch do Comediante e Jackie Earle Haley como o psico do Rorschach. Tudo costurado a trama celeste do mestre Alan Moore (que tanto repudiou a produção do filme)

WATCHMEN em poucas palavras pode ser descrito como uma analise realista da existência de super-heróis (ou melhor: vigilantes mascarados) e sua influência no contexto politico e histórico do mundo. Com exceção do Todo-Poderoso Dr Manhattan, os personagens de WATCHMEN não tem super-poderes e nem tão pouco são benfeitores politicamente corretos: são um reflexo distorcido da humanidade. Os "heróis" de WATCHMEN mentem, matam, estrupam e destroem tudo aquilo que os desagradam. Estão acima da Lei, são "hérois" afinal. Muito alem dos conceitos maniqueístas, pedra basilar dos quadrinhos, WATCHMEN é a desconstrução de tudo que lemos e sabemos sobre super-heróis. Se realmente existissem homens de capa e máscara coloridas por aí defendendo as ruas do crime, eles seriam assim.

Não é um filme pra qualquer um. Não é o tipo de filme que sua tia-avó vá gostar, não é o tipo de filme que sua namorada vá entender. Definitivamente não é um filme pra crianças (e tinham várias lá ontem...), e se você não se empolga com histórias de super-heróis e talz nem tente. O mundo pode ainda não estar preparado para entender a obra-prima de Alan Moore, e talvez nunca esteja. Essa história não foi feita pra todos, foi feita para caras como eu e como você, leitor/ leitora do SVEJA (ou cerveja, se preferir 8D), para jovens ainda...

sexta-feira, 6 de março de 2009

É hoje!!!

Sexta feira, 6 de março de 2009 estreiam:

passo...


Eu QUERO ser um milionário!

OMFG!!!!

Vontade doida de matar o trampo hoje...

quinta-feira, 5 de março de 2009

Sem

Sem forças
Sem coragem
Sem esperança
Apenas dor
Apenas raiva
Apenas lágrimas
Sangrando
Morrendo
Chorando
Até quando
Vou insistir nos
Mesmos erros?

quarta-feira, 4 de março de 2009

Celofane

Hesitante, mas convicto
Engoli meus meus temores
A troco de sua indiferença
Não é amor
É vingança
É o seu castigo pela minha dúvida
Quebrado
Pequeno
Invisivel
...

domingo, 1 de março de 2009

YES, Man!

Sorocaba,1 de março de 2009. Calor infernal nesse forno que eu chamo de quarto. Acabou que nem comentei do Yes, Man!, novo filme do Jim Carrey que eu só fui ver semana passada. Bom, ele é engraçado no começo, mas cansa da metade pro final. Vale pelas caretas do cara e pela Zooey Deschanel (que sempre falava com uma voz foda de robô, que eu prefiro acreditar ser um problema especifico e bizarro de audio da sala). A mensagem do filme é obvia: diga SIM pra vida e para as oportunidades que ela lhe oferece. Foi assustador constatar que no inicio do filme, o antissocial (odeio escrever assim) personagem do Jim afundava em sua solidão em pilhas de DVDs (igual uma certa pessoa que eu conheço muito bem). Filme bacaninha, não é aquela coisa que se diga: nooossa que filmaço, mas dá pro gasto.